segunda-feira, 28 de abril de 2014

Os Peões nos 10 km da II Meia Maratona de Almada


O Clube Peões da Caparica participou em força nos 10 km da II Meia Maratona de Almada, disputada ontem, dia 27 de abril em Almada. 

Aqui fica a surpreendente classificação desta equipa estreante nestas lides das corridas.



Parabéns a todos os representantes desta nossa coletividade.

sábado, 26 de abril de 2014

Conversa à Quinta de 24 de abril


A 24 de abril realizamos uma sessão histórica das Conversas à Quinta, sobre a revolução de abril de 74: antes e depois. Estiveram presentes como oradores na mesa redonda: Dr. Manuel Dias; Prof. Dr. Gaspar Barreira; Dr. Manuel Rodrigues; e Dr. Augusto Flor. Previamente ao início da sessão fomos presenteado por um momento musical pelo jovem Diogo Santos, tocando brilhantemente, em flauta de bisel barroca, dois andamentos da 1ª sonata de George Telemannn (1681-1767).

Esta sessão contou com o apoio da Junta da União de Freguesias de Caparica e Trafaria, que nos ofereceu os cravos que foram distribuídos aos cerca de 30 participantes.
 

Durante a Mesa Redonda estabeleceu-se uma atmosfera de grande familiaridade, que fez com que os testemunhos fossem de uma elevada densidade, riqueza e pormenor pessoal impressionantes.

Foram apresentadas, pelo menos, quatro visões sobre as causas do 25 de abril, que no seu conjunto permitiram a cada participante na audiência ter uma visão complementar e aprofundada da Revolução de 74. Houve momentos, em que a coordenação da Mesa Redonda teve dificuldades devido à espontânea participação da assistência em completar, um ou outro testemunho dos membros do painel. Mas, tudo decorreu, como habitualmente, num ambiente totalmente tranquilo.
 
Esta foi uma das mais participativas audiências das Conversas à Quinta. Cerca da meia-noite, atendendo ao adiantado da hora e havendo ainda várias criança na sala, a coordenação da Mesa Redonda, teve que dar por encerrada a sessão, antes mesmo de se poder entrar no após Revolução de Abril de 74. 

Seguiu-se o nosso tradicional momento de café/chã e bolinho, ou seja ocasião para convívio entre os membros do painel e a audiência. Fica o agradecimento da Direção do Clube Peões da Caparica, à generosa participação dos membros do painel, alguns do quais se deslocaram grandes distâncias, e à audiência. Um agradecimento especial ao Dr. Augusto Flor pelo livro oferecido à nossa associação.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Revolução Abril de 74 _ Introdução Histórica

Dr Manuel Dias, na altura do PREC

Dr. Manuel Dias| Foto UrsulaA Zangger

Dr. Manuel Augusto Dias, natural de Ansião e residente em Ermesinde amanhã dia 24 de abril, virá falar-nos do seu conhecimento como historiador e escritor da génese da Revolução abril de 74.
Sobre o pós revolução de abril não deixará de nos falar da sua experiência como estudante da academia coimbrã no período do PREC.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Revolução de Abril de 74 _ Movimento associativo popular

Dr Augusto Máximo Flor
O movimento associativo é a reação dos membros de uma comunidade às dificuldades e anseios do grupo, apoiado numa teia de valores tais como: cidadania, a democracia, autonomia e trabalho voluntário. É pois expectável que no período do Estado Novo (ou período fascista português como Dr. Augusto Flor o designa por comparação com outros regimes europeus) as coletividades desempenhem um papel fulcral. A revolução abril de 74 cria novas possibilidades de atividades para as associações, e por isso se assiste em Almada, a um acréscimo do associativismo popular após esse período.
União |Autoria Ricardo
“Quando em 1970 iniciei a minha actividade associativa, reparei que as Assembleias gerais decorriam com grande participação e vivacidade. … Por essa altura, na sociedade portuguesa, ainda imperava a ditadura, a falta de liberdade, a limitação de actividades e de debate aberto, o que contrastava com a vivência democrática e participativa interna das colectividades” Dr. Augusto Flor, prefácio ao livro “Manual do Dirigente Associativo Voluntário – 100 perguntas/ 100 Respostas” dos autores Sérgio Pratas e Maria João Santos.
Capa de um livro sobre a Biblioteca da Incrível Almadense| Crédito ao autor Luís Milheiro
O Dr Augusto Máximo Flor, natural de Lisboa e a residir em Almada, virá testemunhar o papel do movimento associativo na revolução de abril de 74: antes e depois. Entre outras funções o Dr Augusto Flor é o Presidente da Direção da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, desde 2007.
Desafiamos, também, o Dr Augusto Flor a falar-nos da organização do Partido Comunista Português na clandestinidade.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Revolução de Abril de 74 _ ponto de vista de um preso político

Prof. Dr. Gaspar Barreiro - prisioneiro político do Estado Novo
A revolução abril de 74: antes e depois, é o tema da Conversa à Quinta, da próxima quinta-feira, 24 de abril às 21h no Clube Peões da Caparica.
Representação da tortura, de autor desconhecido
A ditadura portuguesa, a que frequentemente chamamos Estado Novo, durou entre 1933 e 1974. O Estado Novo (ou Segunda República) foi um regime autoritário, conservador, nacionalista, corporativista de Estado de inspiração fascista, parcialmente católica e tradicionalista, de cariz antiliberal, antiparlamentarista, anticomunista e colonialista.
Representação de tortura de autor desconhecido
Até 1969, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE) foi a polícia política, responsável pela perseguição de todos os opositores ao regime. A PIDE despois substituída pela DGS (Direção Geral de Segurança) foi responsável por um nível de tortura absurdo contra o ser humano, que se destinava não apenas a obrigar a falar os presos políticos, mas também na criação de um clima intimidatório na população em geral.
Alguns exemplos de tortura da PIDE, autor desconhecido
Gaspar Barreira natural de Braga, na próxima 5ª feira, vem dar o seu testemunho como prisioneiro político. Gaspar Barreira, mantido preso por diversos anos, inicialmente em Caxias e depois no forte de Peniche, estudou, para sobreviver, física e matemática.
O Prof. Dr. Gaspar Barreira, já aposentado, continua a exercer a função de Coordenador Científico do LIP – Laboratório de Instrumentação e Física Experimental, instituição responsável pela colaboração portuguesa com o CERN (Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire).

domingo, 20 de abril de 2014

Revolução de Abril de 74 _ ponto de vista militar

Manuel Rodrigues em camuflado

O Clube Peões da Caparica organiza no dia 24 de abril às 21h, integrado nas comemorações dos 40 anos da Revolução de abril de 1974, uma mesa redonda. 

Nesta página serão publicados pequenos apontamentos sobre os convidados para essa Conversa à Quinta.
 





Manuel Rodrigues, farda normal
 Em fevereiro de 1974, o General Spínola empossado como vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, mercê da sua experiência especialmente na Guiné-Bissau e em Angola, publica o livro “Portugal e o Futuro” onde defende que não existe solução militar para as guerras coloniais (iniciadas em 1961). Este livro foi considerado pelo chefe de governo da ditadura “um manifesto da oposição”, e demite o general Spínola das suas funções.

Foto aérea do quartel e da localidade de Jumbembem, pertencente ao Sector Militar de Farim (Batalhão 3844, com cerca de 1200 homens)- com anotações de Manuel Rodrigues

Mapa da Guiné, atual.


Dr. Manuel Moreira Rodrigues natural de Ansião e atualmente a residir em Lisboa vem dar-nos o testemunho como militar miliciano na Guiné no período de 1971 a 1973, na companhia 3359 (os Picadores, especialidade hoje conhecida por deteção e desarmamento de minas e armadilhas) sediada em Jumbembem (ver mapa da Guiné, abaixo da palavra SENEGAL).

Alguns dos aspectos a focar serão:
# As dificuldades das familias portuguesas, simultaneamente com o período de tropa os seus dois irmãos participavam na guerra em Moçambique.
# Grande apoio internacional aos militares do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde).
# Dificuldades operacionais das tropas portuguesas, por falta de armamento e de apoio aéreo (após a entrada em funcionamneto dos mísseis terra-ar do PAIGC).







domingo, 13 de abril de 2014

Preparação para a 2ª Meia Maratona de Almada 27 de Abril





Para melhorar o seu performance para a 2ª Meia Maratona de Almada (21,0975 km) ou para a Corrida (10 km) ou mesmo para a Caminhada solidaria (5 km) do dia 27 de Abril, o clube dos peões continua a estar aos Domingos pelas 9:30 e até dia 27 ás 4ª feiras pelas 19:00.

Os locais de partida e chegada para os próximos dias:

Dia 16 - Rotunda junto ao Parque de Campismo Almada (Inicio sul Pontão)
Dia 20 - Clube dos Peões
Dia 23 - Rotunda Junto ao Parque de Campismo Almada (Inicio sul Pontão)


Percurso das 4ª feiras (Ida e volta total de 8,8 km)




sexta-feira, 4 de abril de 2014

O peddy-paper foi adiado devido às más condições atmosféricas.
A nova data será publicada brevemente.